Máquinas inteligentes!

Programa de IA (Inteligência Artificial), sistema GPS parecido com o cérebro!

As redes neurais da DeepMind imitam as células da grade encontradas em cérebros humanos que nos ajudam a saber onde estamos.

Um programa de IA treinado para navegar por um labirinto virtual desenvolveu inesperadamente uma arquitetura que se assemelha ao “sistema GPS” neural encontrado dentro de um cérebro. A IA foi então capaz de encontrar seu caminho ao redor do labirinto com habilidade sem precedentes.

A descoberta vem da DeepMind , uma empresa britânica de propriedade da Alphabet e dedicada ao avanço da inteligência artificial geral.

O trabalho, publicado na revista Nature , sugere como as redes neurais artificiais, que são inspiradas pela biologia, podem ser usadas para explorar aspectos do cérebro que permanecem misteriosos. Mas esta ideia deve ser tratada com alguma cautela, uma vez que há muito que não sabemos sobre o funcionamento do cérebro e também porque o funcionamento das redes neurais artificiais é também difícil de explicar.

Pesquisadores da DeepMind começaram a treinar uma rede neural artificial para imitar a integração do caminho, um método que os animais usam para calcular seu movimento através de um espaço. Os pesquisadores treinaram uma rede neural com um loop de feedback para navegar em um labirinto, alimentando-o com exemplos das rotas tomadas por camundongos atravessando um labirinto real.

A equipe descobriu que a rede neural desenvolveu algo semelhante às “células da grade” encontradas em um cérebro biológico. Essas células, organizadas em uma grade triangular, parecem fornecer um meio para um animal se posicionar no espaço físico. As células da rede foram identificadas pela primeira vez em 2005, e os cientistas que as encontraram receberam o Prêmio Nobel por sua descoberta em 2014.

“Este estudo é uma demonstração convincente de que o aprendizado profundo pode ser valioso para tarefas que dependem não só de habilidades de percepção, mas também de funções cognitivas superiores – neste caso, navegação espacial”, diz Francesco Savelli , neurocientista da Universidade Johns Hopkins. células da grade, e que escreveu sobre a pesquisa em um artigo relacionado da Nature..