Mark Zuckerberg debateu o GDPR, privacidade no Parlamento Europeu

Mark Zuckerberg, o co-fundador do Facebook, apresentou suas respostas às deficiências na proteção dos dados pessoais dos usuários perante o Parlamento Europeu, na terça-feira. Uma possível versão paga do Facebook, por outro lado, foi sugerida pelo Parlamento Europeu.

Mark Zuckerberg, chefe da rede social Facebook, dirigiu-se ao Parlamento Europeu, em Bruxelas, na terça-feira. Entre as principais questões abordadas, havia as deficiências do gigante californiano em proteger os dados pessoais de seus usuários e o GDPR (Regulamento Geral de Proteção de Dados), que entra em vigor na sexta-feira. Ao contrário do encontro com o congresso americano, no Parlamento Europeu, todas as questões foram previamente preparadas e disponibilizadas em uma folha.

O fundador do Facebook passou por eles e respondeu a eles, ignorando alguns deles que pareciam perturbadores ou menos complexos. Toda a sessão de discussão pode ser vista no vídeo abaixo. A parte triste é que a maioria das perguntas que Mark Zuckerberg deveria ter respondido eram interessantes e muito mais pontuais do que as do Congresso americano. Muitos deles visaram a iminente entrada em vigor dos termos do GDPR na sexta-feira, 25 de maio.

O Parlamento Europeu perguntou sobre Cambridge Analytica, GDPR, pagou a versão do Facebook e notícias falsas

Os membros do Parlamento Europeu queriam saber se um escândalo como o Cambridge Analytica é impossível a partir de agora ou não.

Eles também queriam saber se os usuários teriam controle total sobre os dados armazenados na rede social e, também, se os legisladores da UE queriam descobrir com que precisão o Facebook obedeceria a todos os termos iminentes de RPDP. Houve também uma questão sobre a possível implementação de uma versão paga do Facebook, sem anúncios personalizados. Perguntas sobre notícias falsas e falsas contas do Facebook que promovem esses materiais editoriais também estavam na lista.

Mark Zuckerberg usou as respostas que deu ao Congresso americano e insistiu que o Facebook cumprisse o GDPR até 25 de maio. Quanto ao escândalo Cambridge Analytica, ele disse que haverá várias mudanças que tal evento não aconteça novamente. Como solução para a questão das notícias falsas, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, reiterou que vai contratar milhares de moderadores humanos e engenheiros para combater a situação atual.

via news4c